segunda-feira, 14 de julho de 2014

865 - FEIRA LIVRE (Republicado em homenagem aos 100 anos de nascimento de minha avó Maria Amélia)




Encontradas desde Roma e Grécia antigas, as feiras livres sobreviveram bravamente até os tempos atuais. Diariamente, nas ruas de todas as cidades, vendedores e compradores exercitam a milenar arte de negociar, discutindo diretamente o preço dos produtos expostos em barracas.

Por vários anos da década de setenta e oitenta, em Fortaleza, minha querida avó Maria Amélia frequentou a movimentada feira do bairro Jardim América. Ali se tornou conhecida pelos barraqueiros e demais clientes por sua simpatia, cordialidade e  economia.

Certa manhã, após pedir e não conseguir desconto em um quilo de batata doce, minha avô, usando um meio  alternativo de pechinchar, pôs a mao dentro do saco da batata e falou:

- Meu filho, então me dê mais essa de agrado...

O experiente barraqueiro, acostumado com o espírito regateador da cliente, relutou:

- Mas dona Maria, essa batata aí pesa quilo e mei...


Colaboração: Paulo Danúbio Carvalho Costa
(imagem Google)

Um comentário:

  1. Valdici Fernandes14 de julho de 2014 15:01

    Rsrsrss... eu sempre faço isso quando vou comprar carangueijo... sempre pego o do agrado rsrsrss

    ResponderExcluir