quarta-feira, 1 de março de 2017

964 - O LADRÃO ESFAQUEADO *


Logo após o seu casamento com Maria Aparecida Feitosa Costa, ocorrido em 1976, Antônio Ulisses foi residir na rua Coronel Pimpim, em Várzea Alegre, no imóvel onde funcionou a Sorveteria Ki-Delícia. Certa madrugada, foi acordado por sua esposa, que, assustada com um estranho barulho, desconfiava que havia um ladrão dentro de casa. 

Assim, Antônio Ulisses tomou coragem e foi ver o que acontecia. Na cozinha, percebeu que o larápio havia desarrumado algumas coisas e preparado outras para levar. Como a porta do banheiro estava entreaberta, desconfiou que o ladrão se escondera naquele cômodo.

Empunhando uma faca tipo peixeira, decidiu enfrentar o meliante. Tentou entrar no banheiro, mas o ladrão segurava a porta, impedindo sua passagem. Disposto a encará-lo, Antônio Ulisses planejou empurrar a porta com força e desferir uma única facada no perigoso bandido.

Não deu outra. Em uma ação rápida e eficiente, com extrema força, empurrou com o ombro a porta do banheiro e desferiu um golpe transfixante na barriga do elemento.

Felizmente não se tratava do larápio, a facada atravessou um saco com roupa suja que sua esposa guardava pendurada dentro daquele cubículo. Era o saco que impedia a total abertura da porta. Em vez de atingir o abdômen do ladrão, furou várias peças de roupa, inclusive algumas das que mais gostava, como a calça do conjunto de mescla azul que usara em seu casamento.


 extraído do livro "Conte Essa, Conte Aquela - Histórias de Antônio Ulisses"


*Publicada originalmente no blog em 27 de fevereiro de 2009

(imagem google)

domingo, 26 de fevereiro de 2017

963 - FUTEBOL NO CEDRO*


Na segunda metade do século passado o time de futebol de Várzea Alegre se preparava para viajar até o vizinho município do Cedro, onde, ainda no final da tarde daquele dia, as duas seleções protagonizariam um esperado embate. A rivalidade entre os dois pequenos municípios cearenses não se limitava ao esporte, tudo motivava discussão entre os moradores das duas cidades. Os cedrenses se gabavam por ter suas terras cortadas pela estrada de ferro, responsável por impulsionar seu desenvolvimento. Do outro lado, os varzealegrenses respondiam dizendo que pouco adiantava a linha do trem se no Cedro não havia água suficiente distribuída nas torneiras.


            Na proximidade de mais uma disputa, os atletas da Terra do Arroz subiam no velho caminhão que os transportaria ao campo de chão batido da vizinha cidade. Muitos assistiam à saída da equipe, outros buscavam subir no caminhão para acompanhar o jogo. Não havia espaço suficiente na carroceria para acomodar a equipe de futebol, a comissão técnica, os dirigentes e os inúmeros torcedores que desejavam ver o clássico regional.


            No meio daquela confusão, um conhecido e assumido homossexual de Várzea Alegre, com seus trejeitos afeminados, tentou subir no caminhão. A reação foi imediata. Vários jogadores e torcedores recusaram a presença do diferenciado torcedor. Um mais afoito empurrou o pobre rapaz e gritou:


            - Baitola não sobe nesse caminhão.


            O torcedor pederasta, aborrecido com a cruel recusa, humilhado com a ação preconceituosa ainda mais comum naquela época, olhou seriamente para os jogadores, comissão técnica e torcedores, e gritou:


            - Eu não vou nesse caminhão, mas aí em riba tem mais dois com o mesmo gosto que eu.


            Fez-se silêncio tumular entre os presentes. Ninguém, nem mesmo os mais esquentados jogadores esboçou qualquer reação. Nenhum outro torcedor quis acompanhar o grupo. Outros não desceram do caminhão temendo que a atitude levantasse suspeita sobre a sua orientação sexual.



Mesmo assim, o veículo deu partida e seguiu na antiga estrada em direção ao município do Cedro. No percurso de várias léguas não houve as conversas de costume, como os importantes debates sobre as estratégias para o confronto. Os passageiros se olhavam discretamente procurando pistas de quem seriam os dois outros com o mesmo gosto do torcedor excluído.


            No fim da tarde a equipe de futebol varzealegrense não repetiu os bons desempenhos dos enfretamentos anteriores. Os torcedores e os dirigentes que acompanharam o time não conseguiram elevar o ânimo dos atletas. Desde o primeiro minuto o escrete vizinho tomou conta da partida e venceu facilmente o clássico. 

  No término do jogo ninguém falou sobre a vexatória derrota, não houve qualquer menção aos motivos do fracasso daquela tarde. Afinal, cada um admitia a impossibilidade de se concentrar na partida.

       No caminho de volta, os pensamentos dos passageiros do velho caminhão continuaram empenhados em descobrir quem seriam os dois outros homossexuais que foram disputar ou assistir ao jogo de futebol no Cedro.

(imagem Google)
*postagem publicada originalmente em 23 de fevereiro de 2009

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

962 - PEDRA DE CLARIANÃ, A ORIGEM


Desde criança, lá pelas bandas do sertão cearense, escutei uma interessante história, narrada inicialmente por seu Alberto, empregado do meu avô materno.
Aquele humilde homem, de mãos calejadas pela dura vida de lavrador, nos intervalos de sua faina diária, falava sobre a existência de um reino distante, onde habitava uma linda princesa. Uma donzela, plena de virtudes e beleza, que ansiosa, de braços abertos, aguardava a chegada do seu príncipe, o próprio Alberto.
Além de possuir o coração da linda herdeira, seu Alberto também era proprietário de uma pedra de ouro. Não se tratava de uma pedrinha ou de uma pepita qualquer, era uma pedra imensa, gigantesca, a Pedra de Clarianã. Toneladas e toneladas de ouro maciço, pertencente a seu Alberto.
A fortuna em metal precioso transformava aquele pobre  agricultor no homem mais rico da terra. Tamanha propriedade também espantava qualquer dúvida sobre a existência do amor distante. Claro que havia uma linda princesa encastelada, esperando a chegada do príncipe Seu Alberto. 
  A rica imaginação do modesto homem habitou por muito tempo a fantasia de inúmeras crianças. Eu, mesmo não ouvindo a história contada diretamente por seu Alberto, também viajei na lúdica narrativa da enorme pedra de ouro e da bela princesa.


Outro dia, por acaso, descobri que realmente existe uma pedra enorme com nome parecido, cantada por poetas populares: A Pedra do Claranã, localizada no outro lado da chapada do Araripe, no sertão pernambucano, no município de Bodocó.
Não sei se a pedra de Bodocó tem toneladas de ouro ou se naquele sertão existe um reino com bela princesa. Porém, ninguém duvida que seu Alberto e as crianças que ouviram aquela história jamais perderam a esperança de encontrar a verdadeira Pedra de Clarianã.
Lúdicas histórias, com reinos, castelos, princesas e fortunas sugerem um final feliz. Nós todos ainda encontraremos a verdadeira pedra de Seu Alberto.

*Postagem número 1, publicada originalmente em 21 de fevereiro de 2009
(imagem Google)


961 - 8 ANOS D0 PEDRA DE CLARIANÃ


      

      Nesta semana, o Pedra de Clarianã completou 8 anos. Nos próximos dias comemoraremos o aniversário do blog renovando postagens de fevereiro e março de 2009, quando a brincadeira começou.

(imagem Google)

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

960 - ARAMANAÍ (Blog há 7 anos)


        Neste mês de janeiro de 2010, saindo de navio do Porto de Santana, Estado do Amapá, viajei com esposa, filhas, sogra e cunhada para Santarém, município do oeste paraense. A viagem inicia com a beleza do percurso pelo majestoso rio Amazonas – ou Solimões.

       Na chegada a Santarém, fomos muito bem recebidos pelo impressionante espetáculo do encontro dos rios Solimões e Tapajós. Suas águas teimam em não se misturar. De um mirante próximo à orla da cidade é possível observar os rios de cores diferentes correndo lado a lado.

    As praias de areia branca e as águas claras impressionam. O rio Tapajós pode não ser o rio mais bonito do mundo, mas certamente disputa as primeiras posições. Na região, são tantos os lugares interessantes que uma visita só é insuficiente pra conhecê-los: Alter do Chão, Ponta do Cururu, Serra da Piroca, Ponta de Pedras, Pajuçara, Aramanaí e várias outros.

       Em Aramanaí, Município de Belterra, me deliciei com a paisagem e com o tucurané na manteiga servido na beira do rio. Chamou-me atenção o nome do lugar. Um experiente pescador cuidou logo em me contar uma popular versão sobre a origem do nome da bela praia.

        Segundo o velho morador, um rapaz e uma moça, irmãos, caminhavam pela beira do rio Tapajós, retornando de uma festa em Belterra, onde beberam e comeram bastante. Chegando naquela praia, a moça se viu agoniada e perguntou ao irmão:

      - Mano, tou apertada. Onde eu posso mijar?

      O irmão, apontando para a praia que ganhou o nome, respondeu:

      - Ara, mana. Aí.

(imagem Google)




segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

959 - CHAPADA DO ARARIPE



Neste domingo, acompanhamos nosso pai Luiz Cavalcante em uma visita ao Museu de Luiz Gonzaga, na cidade pernambucana de Exu. Transpomos a Chapada do Araripe, imponente paredão que divide o sul do Ceará do Pernambuco, ouvindo dezenas de sucesso do inesquecível artista nordestino.

Logo após o Crato, após subir grande parte da íngreme “muralha” que abriga a Floresta Nacional do Araripe, paramos em pequenas vendas para adquirir alguns produtos regionais, como a siriguela, a jaca e o famoso pequi, fruto nativo responsável pela maior fonte de renda dos moradores da região. Como ainda íamos ao Exu,  decidimos comprar um saco do aromático fruto do pequiziero somente no retorno do passeio.

No Parque “Aza” Branca, grafado propositalmente com a letra Z, revivemos a história da vida e da música do maior artista nordestino de todos os tempos. Certamente não apenas por coincidência, em determinado momento da emocionante visita, no serviço de som do Museu do Gonzagão, tocava uma das muitas músicas da prodigiosa parceria ente o sanfoneiro com o iguatuense Humberto Teixeira:

La no meu pé de serra
Deixei ficar meu coração
Mas que saudade eu sinto
Eu vou voltar pro meu sertão

Inebriados com a fabulosa obra musical de Luiz Gonzaga, sentimos a falta no acervo do museu de qualquer referência ao varzealegrense Zé Clementino, parceiro do velho Lua em várias músicas de sucesso tais como Xote dos Cabeludos, Xeeem, Capim Novo, O Jumento É Nosso Irmão e Terra dos Contrastes. 

    Na retorno de Exu, decidimos visitar outros importantes pontos Turísticos da Chapada do Araripe. Na margem da rodovia CE-292, a 9 quilômetros de Nova Olinda,  conhecemos a lendária Ponte de Pedra, formação rochosa natural semelhante a uma ponte.

            Em Santana do Cariri, no Museu de Paleontologia da Universidade Regional do Cariri (URCA),  amostras do rico patrimônio geológico da região se misturam a imponentes réplicas de dinossauros.

Também em Santana do Cariri, a apenas 4 km da sede do município, subimos para apreciar a vista a partir do Pontal de Santa Cruz, que, segundo a crença popular, serviu para afastar as assombrações que habitavam o local. Eu e o primo Augusto Cesar, preferimos encarar a subida por uma estruturada trilha que também leva à pequena capela e a grande cruz fincada no panorâmico pontal.
           
      Na volta, no final da tarde, na rodovia, cruzamos com milhares de pessoas acompanhando o carregadores do pau da bandeira da Festa de São Sebastião, padroeiro de Nova Olinda.

Por fim, próximo ao Crato, paramos mais uma vez na estrada para comprar as frutas regionais, especialmente o pequi, ingrediente obrigatório na dieta dos sertanejos. Como havíamos iniciado uma negociação com as vendedoras no inicio da manhã, saímos em busca das sumidas proprietárias das barracas:

            - Ei, ei... Onde as muié do pequi tão ?

(imagem Google)

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

958 - OS ÓCULOS DO COMPADRE

-->

Na boca da noite, em uma pequena cidade do nordeste brasileiro, após mais um estafante dia de trabalho, o jovem marido voltou cansado para casa. Enquanto a dedicada esposa esquentava o jantar, decidiu descansar um pouco no quarto do casal.

Ao deitar na cama, o homem se incomodou com um objeto estranho sob o confortável travesseiro. Tratava-se de óculos de grau deixados estranhamente no inviolável leito conjugal. Inexplicável pois o casal gozava de saúde oftalmológica e nenhum dos dois carecia de qualquer correção visual.

Ao acender a luz do quarto, o pobre homem imediatamente reconheceu detalhes da refinada armação. Não havia qualquer dúvida, os óculos pertenciam ao seu querido compadre, padrinho do filho primogênito do casal. 

No dia seguinte, logo ao amanhecer, após uma noite mal dormida, o homem, sem contar nada à esposa, decidiu tomar providências. O velho amigo, que abria as portas do comércio com dificuldades para acertar a chave no buraco da fechadura, estranhou:

- Cumpade, o que traz você aqui tão cedo? Aconteceu alguma coisa? Meu afiado tá bem ?

- O Minino tá bem. O problema é com o cumpade...

Desconfiado, o experiente comerciante foi se afastando:

           - Mas, entonce, o que há de ser?

Antes que o velho amigo morresse com a falta de sangue circulando no seu rosto pálido, o compreensível marido, retirando os óculos do bolso,  completou:

- Taqui seu picenez, Cumpade. Deixe de lerdeza. Você tá muito esquecido. Anda largano seus óculo em tudo que é canto... 

(imagem Google)