sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

323 - MEU QUERIDO


         Os varzealegrenses Júlio Bastos e Maurício Bezerra construíram uma amizade de muitos anos e que dura até hoje. A inabalável relação se fortaleceu na década de oitenta, quando ingressaram como menores aprendizes no quadro de servidores do Banco do Brasil.

         Os dois, ainda bem jovens, por conta dos seus destacados desempenhos escolares, conseguiram o concorrido estágio. Logo depois, por meio de concurso, passaram a fazer parte do quadro permanente do banco.

         Na época, os dois amigos estavam sempre juntos nos eventos festivos de Várzea Alegre. Júlio, mais bunitin, logo arrumava uma namorada. Porém, como Júlio perdia o controle e exagerava na bebida, a jovem, no final da festa, passava a namorar o esperto Maurício.

         Depois de um animado forró na noite anterior no Recreio Social, Júlio acordou ressaqueado pela manhã e saiu para encontrar a namorada que arrumara na festa. Contudo, mais uma vez soube que a garota terminara a noite com Maurício. Chateado, Júlio buscou o amigo para tomar satisfação:

        - Mas, Mauricin, você tomou de novo minha namorada?

        O inteligente e simpático Maurício, com sua conhecida gagueira e engolindo alguns fonemas, justificou:

        - Meu querido, num fique preocupado. Era ruim se fosse com outra pessoa. Mas nós somos amigos e irmãos, Julin.



Colaboração: Julio Bastos

(imagem Google)

11 comentários:

  1. Ei Flavin eu morri de rir aqui,imaginando Marucin falando!kkk...Vc é demais parabéns mais uma vez!!!! (Ivanilda)

    ResponderExcluir
  2. Que fazer né, "amigo" é pra essas coisas...kkkkkkk. Então percebe-se que o bom senso vale mais que a blz física. Bjin.

    ResponderExcluir
  3. Oi, amigo bunitin...minha admiração por vc cresce como fermento em bolo. Vc num tem uma historinha assim? ou algo parecidin? Rsrs...um abraço, querido.

    ResponderExcluir
  4. Mais uma para alegrar o sabado, grande abraço.

    ResponderExcluir
  5. Amigo da onça esse. O cara não é fraco não.

    ResponderExcluir
  6. E ai Flavim vc queria ser amigo do Julio ou do Mauricim.

    ResponderExcluir
  7. Gente eu via isso e só agora me lembrei... KKKKKK
    Tempos difíceis pra todos nós, era meio que moda "pegar" os namorados(as) dos outros... kkkkkkkkk MAS DE AMIGO ERA IMPERDOÁVEL... CÊ SABE MULHER É MAIS SENTIMENTAL...

    ResponderExcluir
  8. eu falando com milton na casa dos pais de flavinho sobre esse conto, o miltom cofirmou que essa história é veraz

    ResponderExcluir
  9. Klecim emprestou um dinheiro a uma senhora de Várzea Alegre e como já passava do prazo do pagamento e ela nem falava em pagar, a sogra dele, Socorro Costa, foi fazer uma visita a devedora, que era sua amiga, e disse está triste diante de tal problema, que não esperava tão falta de atenção por parte dela. E a devedora se justificou, dizendo: Socorro, amigo é prá tomar no cu mesmo.... kkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  10. Meu querido irmão Julinho, só não contou que ele também ficou com algumas namoradas e ex-namoradas minhas, inclusive casou com uma delas, feliz matrimônio que perdura até hoje, e se Deus quiser até que a morte os separe. Ótima narração de um talentoso narrador, que me fez lembrar tempos de espontaneidade, simplicidade, que geraram episódios praticamente irrepetíveis nos dias atuais. Abraço fraterno a todos...

    Mauricio Bezerra

    ResponderExcluir
  11. Também li, com muita atenção, mais esse irreverente conto, por ser amigo dos dois e ter convivido boa parte da minha vida profissional com eles, na agência do BB de Várzea Alegre.

    Portanto, não me causou estranheza nenhuma já que eles tinham, por hábito, trocar tudo...

    Valeu Julim e Mauricim!

    ResponderExcluir