domingo, 27 de fevereiro de 2011

338 - PORTA-RETRATO



         Minha avó Maria Amélia viveu irradiando alegria, compreensão e equilíbrio. Com treze filhos e dezenas de netos e bisnetos, a varzealegrense, com amor e serenidade, se notabilizou pela sua infinita capacidade de amar e de superar com altivez os percalços da vida.

         Na década de setenta, minha querida avó deixou a pequena Várzea Alegre e foi morar em Fortaleza. Ali, sua casa continuou bastante frequentada por todos, muitos vindos do sertão cearense para matar a saudade da sábia professora aposentada.

        Certo dia, Antônio Ulisses, um dos filhos de Maria Amélia, chegou de surpresa à capital alencarina. Ao entrar na casa e olhar para a estante da sala, o corretor de algodão reclamou:

         - Mamãe, cadê minha foto. Por que só tem retrato de minha irmã Terezinha?

         - Ah, meu filho, você vem sem avisar. Terezinha me disse que chega hoje de Várzea Alegre.


(imagem Google)

5 comentários:

  1. Tah vendo só o q dá não avisar!? ahuahuahua

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    D. Maria Amélia sempre teve um grande senso de humor, mesmo diante de problemas e, de uma verdadeeeeeeeeeeeee .........kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  3. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...É nisso que dá querer fazer surpresa!

    ResponderExcluir
  4. Conheci a D. Maria Amélia. Além de lindo ser humano, era muito espirituosa!

    ResponderExcluir
  5. kkkkkkkkkkkkkkkk imagino lembro, até hje, do seu jeito de falar... espirituosa!!! Grande mulher!!

    ResponderExcluir