sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

310 - RAPADURA DOCE



         No fim da década de sessenta, Antônio Ulisses iniciou namoro com uma jovem de um sítio localizado perto da cidade de Várzea Alegre. Nos primeiros dias do relacionamento, em um começo de noite, o cearense resolveu visitar a namorada.

         Amante de uma boa prosa e cheio de histórias para contar, Antônio Ulisses sentou na calçada da casa do sogro e se danou a conversar com todos da família. O papo fluiu e o visitante nem percebeu a hora passar. Já tarde da noite, o pai da namorada, bocejando, disse que precisava se deitar e educadamente ofereceu dormida ao novo genro.

        Uma limpa e cheirosa rede foi armada no armazém ao lado da casa. Antes de se recolher, Antônio Ulisses foi ao pote e bebeu vários canecos com água. Não houve como conter a sede. Provara bastante da rapadura servida na hora da agradável conversa.

         O sol ainda raiava, quando Antônio Ulisses acordou e percebeu que o temido acontecera. Mijara durante o sono e uma grande poça se formou no piso embaixo da rede. Tentando modificar a reprovável cena, usou o lençol para enxugar o chão. Desconfiado, sequer esperou pelo café. Pulou a janela do armazém e partiu sem se despedir da namorada e de sua família.

         Dias após, na cidade, Raimundin Piau, interessado em uma das irmãs da namorada do amigo, convidou:

         - Ei Antônio Ulisses, vambora na casa das meninas hoje na boca da noite?

          Ainda decepcionado com a inoportuna recaída da sua incontinência urinária, Antônio Ulisses, que não mais voltou à residência da namorada, respondeu:

          - Raimundin, num vou não. A rapadura de lá é doce demais. Dá uma mijadeira danada.



(imagem Google)

Um comentário:

  1. E a rapadura que pagou o pato...kkkkkk....valeu!!! Abraços.

    ResponderExcluir