domingo, 2 de setembro de 2012

646 - A CONTA EM "NEGO DE ANINHA"





O bar de Francisco Gregório da Costa, conhecido como Nego de Aninha, marcou várias gerações da cidade cearense de Várzea Alegre. Até hoje o estabelecimento funciona e conta com um bom número de fiéis clientes, mas em novo endereço, na Rua do Figueredo.

Há alguns anos, em uma manhã de sábado, enquanto o simpático proprietário conversava com amigos na bem frequentada calçada do comércio,  um grupo de jovens varzealegrenses, entre eles Francisco Serafim, bebiam cerveja, contavam histórias e se divertiam no balcão do Bar de Nego. Quando um daqueles clientes pedia mais uma bebida, o despreocupado dono do Bar gritava da calçada:

- Serafim, pegue aí no congelador...

Após algumas horas,  a turma decidiu encerrar a farra e pediu a conta. Mais uma vez, o sossegado Nego de Aninha, sentado, com uma perna cruzada sobre a outra, sem querer se desligar do interessante papo com os amigos, gritou da calçada:

- Veja aí quanto deu, Serafim.

  A animada turma então fez a soma, arrecadou o dinheiro, e, na porta do Bar, pagou a conta a Nego.

Alguns dias depois, Serafim passava de moto pela rua, quando Nego de Aninhada porta do Bar, erguendo uma folha de papel na mão, lembrando umas das regras da operação matemática, gritou:

- Ei, Serafim, aquele um da conta de somar que você fez não subiu não...


Colaboração: Carlos Leandro da Silva (Carlin de Dalva)
(imagem Google)

Nenhum comentário:

Postar um comentário