terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

549 - A NAVALHA DE VICENTE CESÁRIO




Nas últimas décadas a vigilância sanitária lançou importantes campanhas alertando que os instrumentos utilizados nos salões de beleza e nas barbearias, se não forem devidamente esterilizados, podem se tornar meios de transmissão de doenças como a hepatite. Um grande avanço, pois antigamente as informações não chegavam aos profissionais, especialmente nas localidades mais distantes e isoladas do país.

Na segunda metade do século passado, um varzealegrense que migrara para São Paulo voltou à querida cidade natal para o período da festa do padroeiro São Raimundo Nonato. Buscando se preparar para os eventos religiosos e festivos da pequena cidade cearense, o paulista se dirigiu a uma tradicional barbearia, onde Vicente Cesário acabava  de cortar o cabelo e fazer a barba de outro cliente.

O recém chegado se sentou imediatamente na cadeira. O velho barbeiro  aplicou pinceladas de espuma no rosto do paulista e se aproximou de um balcão para amolar a navalha usada na barba do cliente anterior. Dentro do estabelecimento ouvia-se o forte barulho da lâmina em fricção com a madeira:

- lapo, lapo, lapo...

 Terminada a barulhenta afiação, o barbeiro Vicente Cesário virou-se com a navalha na mão. O cliente, com carregado e misturado sotaque, mesmo com o rosto repleto de espuma, perguntou:

- Que isso, meu ? Num vai nem passar um alcoolzin na navaia para matar os germe e os micróbio?

O velho barbeiro, com seu jeito rude e sua conhecida espirituosidade, já se posicionando para iniciar o serviço, retrucou:

- Oh caba besta. Tem lá micróbrio que aguente umas lapada daquela na cabeça.

Colaboração: Robson Frutuoso Bezerra
(imagem Google)

4 comentários:

  1. Flavim, Vicente deixou saudades ao povo descontraido de VA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Dr. Rolim. Deixou saudade a todos nós.

      Excluir
  2. Flavim, parabéns pelo blog. As historias do seu Vicente..kkk são muitas vc sabe.
    Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Jiordana...
      Eu adoro as histórias do seu pai. Com respostas simples e inteligentes.
      O blog só existe graças a pessoas como seu Vicente Cesário.
      Grande abraço.

      Excluir